Translate

domingo, 4 de agosto de 2013

Sobre a tal leveza dos nossos 20 e poucos anos...



Sobre a leveza dos vinte e poucos anos...



Na modernidade, conversas em grupos no celular tornaram-se parte essencial de nossas rotinas.
De repente, você está no meio do trabalho e a amiga lança no grupo do what´s app: “Amigas, tá tudo confuso... eu e o fulaninho largamos...”

P-R-O-N-T-O!

Todas começam a ajudar, a analisar, a tramar vinganças, enfim, o furdúncio está feito.
(claro que podemos pensar nesta mesma frase sendo lançada no grupo masculino, MAS ISTO, É OUTRA CONVERSA!)

Estou aqui para dizer que em meio a tanta correria que o cotidiano nos coloca, uma coisa é fato: 
PRECISAMOS PENSAR NAS RELAÇÕES! 
Elas estão se desgastando facilmente! Há um medo imensurável...E como a oferta é grande, torna-se difícil encontrarmos aquele casal que aceita as dificuldades que aparecem em nossas vidas. 
(afinal, é melhor mudar o caminho a pensar em como pular a poça d´água e seguir em frente...) 

Mas afinal, o que buscamos nas relações?

Todas falam: ele me trocou por uma de dezoito que tira foto no espelho.
 (com o famoso: AFFFE, de todas as amigas, mobilizadas pela fala!); 

ou ainda : ele foi pra balada escondido alegando querer liberdade.
 ( AINNN AMIGA, NÃO ACREDITO, CACHORRO, COMO VOCÊ DESCOBRIU?! ); 

ou então: ele não quer compromisso, não sabe se apegar.
 ( É IMATURO, LARGA PORQUE VOCÊ É MUITO MULHER PRA ELE...)

E então tudo acontece... Mulheres se unem para alegarem que tudo está perdido. Que a competição com as querências é desleal, que a imaturidade é a razão de todos os problemas ou até que essa tal de liberdade ficou confusa com a libertinagem...

Dificilmente alguém está preocupada em dizer: 
Poxa vida, e agora, como vocês vão lidar com isso?

V-o-c-ê-s?

Na hora da dificuldade não há mais o “vocês”... AFINAL, JÁ LARGARAM.
 (né não?! RS...) 

Mas no fundo, no fundo, uma coisa não sai da minha cabeça: Porque as relações se tornaram um bicho de sete cabeças, prisão emocional na visão masculina??? 
( e até feminina, MAS AÍ, É OUTRA CONVERSA!)

Porque não dá para passar de fase juntos?
Porque não temos mais a confiança de que a rotina é a base assegurada das relações modernas?

(Ah tá, não temos mais rotina! O mundo tá moderno...)

MODERNO? (hummm... pense um pouco)

Diversas rodas de conversas o papo é sempre o mesmo, eu quero minha liberdade. Namorar demanda. Relacionar dá trabalho.

E poxa vida, dá mesmo!
(Mas como alguns conseguem????????)

Quem não quer aquela de dezoito cuja maior preocupação é a questão de física que ela pode errar no vestibular, 
(quando o presta!!) 
ou então, qual a roupa que ela irá à academia? 
(algumas têm 33 e não saíram disso, MAS AÍ É OUTRA CONVERSA).
 Deve ser mesmo uma delícia dar uns “pegas” e viver esta leveza. 

Difícil mesmo deve ser quando a roupa que ela irá na academia perde a graça e o foco vira: “porque ele não está falando comigo 24 horas??”, e a cada 3 segundos chega uma mensagem nova no celular do coitado,e ele é obrigado a “mudar para próxima...”, permanecendo nesta fase!


Quem não quer sentir a liberdade de ir para a balada com os amigos? Beber umas e outras, massagear o ego, zuar tudo e a todos 
(mulheres leiam: TODAS!)...
 Momentos de descontração, felicidade, prazeres fáceis. QUEM NUNCA? 
(o duro são aqueles que têm 43 e não saíram disso, MAS AÍ É OUTRA CONVERSA). 

Difícil mesmo é rotina, aquela coisa “boring”, corriqueira, que exige, que demanda pensamentos, afetuosidades, exposição... E COMO!!! E o pobre coitado se vê obrigado a “mudar para a próxima...”, permanecendo nesta fase!


Quem não quer se sentir descompromissado para pensar na própria vida, na própria dieta, no próprio trabalho, na própria forma de ser feliz??? QUEM NUNCA? 
(o duro são aqueles que chegam aos 40 e não conseguem olhar para o lado, porque ele é mais importante, MAS AÍ É OUTRA CONVERSA...). 
SERÁ MESMO QUE É OUTRA CONVERSA?
SERÁ MESMO QUE É PRECISO PERMANECER NESTAS FASES?
SERÁ MESMO ??
SERÁ?
Cada uma destas fases são sim maravilhosas e essenciais na vida tanto do universo masculino quanto do feminino. 
Difícil mesmo é assumir as mudanças interiores que cada uma delas nos demanda. 
Difícil mesmo é perceber que a felicidade só é completa quando compartilhada e que para ser feliz é preciso ter a coragem de seguir em frente. . .

Porque na atualidade lidar com a dificuldade da mudança interna não é algo considerado como bom, AFINAL, É MELHOR MUDAR PARA A PRÓXIMA, permanecendo na mesma fase...

O equilíbrio emocional, trazido como “porta da esperança para uma vida ideal”, só será atingido a partir do momento em que você viver cada fase da sua vida como ela deve ser vivida, sem ilusões, idealizações... Fazendo tudo acontecer da melhor forma!

NÃO DÊ DESCULPA PARA A SUA INCAPACIDADE DE PASSAR DE FASE!
(E acredite: NÃO VAI DOER!)

Aos vinte e poucos, faça o que as pessoas de 20 e poucos fazem!

Aos trinta, repense e refaça!

Aos quarenta, refaça e tenha bom humor!

Aos cinquenta, tenha bom humor e faça novamente!

Aos sessenta, faça novamente e sempre... A partir daí, faça sempre!

Mas será mesmo que precisaremos chegar aos sessenta para entendermos que o melhor a ser feito é não dar desculpas para nossos medos, fazendo sempre o que é possível naquele momento, esgotando as possibilidades e as dúvidas, buscando assim a plenitude de sua felicidade?


A felicidade só é completa quando se vive bem cada etapa, e quando esta etapa é passada junto com aqueles que lhe querem bem!
Seja fiel a cada etapa da sua vida. 
Não há regras, não há juízes. 
Porém, é preciso passar de fase...
é preciso ser capaz de... 
Senão, ninguém zera o jogo!
Carolina/ Agosto 2013

2 comentários:

  1. Daniela Casagrande4 de agosto de 2013 12:00

    Você é fantástica, consegue enxergar o óbvio, e viver isso! Parabéns!!! Sua mente têm asas ....beijo querida amiga

    ResponderExcluir
  2. Grande sensibilidade!

    ResponderExcluir

Sensibilize-se!